Coceira na vagina: o que pode ser e como aliviar?

Coceira na vagina: o que pode ser e como aliviar?

Você sabe o que é pior do que sentir coceira na vagina? Não saber o que está causando essa coceirinha chata.

A coceira vaginal é muito mais comum do que se imagina. E não há motivo para se envergonhar, viu! A maioria das pessoas passa por isso em algum momento da vida.

Mas isso não quer dizer que ela não seja algo para se preocupar, né? A coceira pode ser causada por diversos fatores: desde problemas menos graves como uso de substâncias irritantes até problemas mais sérios como infecções ou câncer de vulva. 

Mas vamos com calma! Te ajudamos a descobrir quais são as possíveis razões por trás disso. Nesse artigo a gente te conta as 10 principais causas de coceira na região íntima.

Sua coceira é na vulva ou vagina?

Antes de entrarmos no que pode causar a coceira na vagina, vale a pena revisar como nomeamos a nossa área íntima.

Muitas pessoas dizem vagina quando na verdade querem dizer vulva. A vulva é a parte que fica do lado de fora do corpo, incluindo os lábios, o clitóris, a abertura da bexiga e a abertura vaginal. Já a vagina é o canal interno que vai da vulva até o útero.

A coceira pode acontecer na região da vulva ou dentro da vagina. Neste artigo, falaremos sobre a coceira que afeta a vagina, a vulva ou ambas.

Se quiser saber mais sobre a sua anatomia íntima, acesse este texto pra entender tudo direitinho com direito à ilustrações.

 

Causas da coceira vaginal

1) Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é uma condição bastante comum causada pelo supercrescimento bacteriano. O que acontece é um desequilíbrio entre as bactérias boas e ruins que ocorrem naturalmente na vagina. 

Quando os níveis bacterianos da sua vagina estão equilibrados, as bactérias nocivas são combatidas pelas bactérias boas. Por outro lado, quando você tem mais bactérias ruins do que boas, sua vagina não consegue manter esse equilíbrio perfeito, o que pode levar a coceira, ardor e corrimento com odor de peixe e de cor acinzentada.

Como tratar? 

Se você suspeita que pode ter uma vaginose bacteriana, consulte sua médica imediatamente. O tratamento consiste no uso de antibióticos, aplicados na forma de gel, creme ou tomados por via oral.

 

2) Infecção fúngica

Candidíase geralmente é a primeira que vem à sua cabeça quando o assunto é coceira vaginal. Mas por qual razão ela ocorre?

Normalmente, há um equilíbrio de bactérias benéficas e fungos vivendo na flora vaginal. As bactérias ajudam a manter os fungos sob controle, evitando seu crescimento excessivo. Mas quando essas bactérias não conseguem fazer esse controle, acontece o crescimento excessivo de fungos, causando infecções como a candidíase. 

Até 75% das mulheres podem ter candidíase pelo menos uma vez na vida. Além da coceira vaginal, ela pode causar outros sintomas clássicos como corrimento vaginal volumoso, inchaço e dor ao redor da abertura da vagina. 

Se você tomou antibióticos recentemente, eles podem ser os culpados pela infecção, pois podem destruir bactérias boas junto com as ruins. Outra possível causa é o uso de absorventes descartáveis, pois eles criam um ambiente abafado e úmido. Considere utilizar alternativas mais saudáveis como o absorvente reutilizável feito de tecidos respiráveis.

Como tratar?
O tratamento médico da infecção por fungos geralmente consiste no uso de medicamentos e pomadas antifúngicas.

 

3) Irritações e alergias

Já experimentou um novo creme hidratante e acabou com a pele coçando ou descamando alguns dias depois? Bom, a mesma coisa pode acontecer com a pele ao redor da vagina. 

Se você estiver com coceira ou irritação, vale a pena pensar se você começou a usar novos produtos recentemente. Fique de olho no uso de produtos químicos que contenham géis, aromatizantes e outras substâncias que podem ser irritantes à pele. 

Novamente o uso de absorventes descartáveis pode ser o motivo da coceira que você está sentindo. Nesse texto do blog te contamos tudo sobre como identificar se você tem alergia aos absorventes descartáveis.

Sabonetes, lubrificantes, amaciantes de roupas, produtos para depilação e até papel higiênico também podem ser os culpados. Na verdade, basicamente qualquer coisa com perfumes ou produtos químicos adicionados podem desencadear a irritação. Se você tiver a pele sensível, prefira produtos que sejam hipoalergênicos e sem perfume.

Algumas pessoas podem ainda ser alérgicas ao látex da camisinha. Nesse caso, a camisinha de poliuretano pode ser a melhor alternativa.

Como tratar?
Geralmente a coceira desaparece depois que a pessoa para de usar esses produtos. Cremes, pomadas e medicamentos antialérgicos também podem ser prescritos pela sua médica para acabar com a irritação. 

 

4) Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs)

As infecções sexualmente transmissíveis são um grupo de infecções que uma pessoa pode contrair após ter contato sexual com uma pessoa que a tenha.

Em muitos casos, elas não apresentam sintomas. Mas quando há sintomas de ISTs, eles variam de acordo com o tipo de doença. Existem algumas ISTs que podem causar coceira vaginal, incluindo:

  • clamídia
  • verrugas genitais
  • gonorréia
  • herpes genital
  • tricomoníase

Além de sentir coceira na vulva e na vagina, a pessoa pode apresentar erupções na pele, feridas, sangramento incomum e corrimento com mau cheiro.

Se houver uma chance de ser uma IST, é importante procurar ajuda médica o quanto antes, pois algumas infecções podem causar problemas a longo prazo, como a doença inflamatória pélvica, infertilidade ou complicações na gravidez. 

Se você suspeitar que esse seja o seu caso, não há necessidade de se envergonhar. Na verdade, é recomendado que qualquer pessoa sexualmente ativa faça testes regulares de saúde sexual.

Como tratar?
Dependendo da IST, ela pode ser tratada com antibióticos, antivirais ou antiparasitários. Além de tomar a medicação conforme prescrito, sua médica também pode recomendar evitar fazer sexo até que a infecção desapareça.

 

5) Piolhos

Piolhos, conhecido popularmente como chatos, também podem ser a causa da coceira na região íntima. E essa é uma infestação facilmente transmissível na área genital que coça muito! Mas como se pega piolho na região genital?

Esses pequenos insetos são normalmente transmitidos durante o contato íntimo, mas também podem ser transmitidos através de roupas de cama e toalhas. 

Há duas razões para a coceira, a mordida dos piolhos e os ovos que eles depositam em sua pele, os quais causam irritação.

Como tratar?
O tratamento consiste em medicamentos aplicados nas áreas afetadas e repetição da aplicação entre sete e dez dias depois. O objetivo da primeira aplicação é eliminar os insetos adultos, já a segunda é acabar com os ovos que ainda restaram.

 

6) Problemas de pele

Algumas condições da pele podem causar vermelhidão e coceira na região genital.

O eczema, também conhecido como dermatite atópica, é uma erupção cutânea e avermelhada com uma textura escamosa e que pode se espalhar para a vulva.

Já a psoríase causa manchas avermelhadas escamosas e com coceira no couro cabeludo e nas articulações. Às vezes, surtos desses sintomas também podem ocorrer na área íntima.

Como tratar?
Quem tem eczema ou psoríase sabe bem a aparência dessas erupções vermelhas e irregulares na pele e geralmente já conhecem meios de melhorá-la. Mas se você nunca teve esses sintomas antes, marque uma consulta médica para encontrar as melhores estratégias de tratamento.

 

7 )Alterações hormonais

Quando os níveis dos seus hormônios se alteram durante o ciclo menstrual, isso pode resultar no tecido vaginal mais seco do que o normal, o que pode causar coceira. 

Isso acontece porque alguns dias antes da menstruação, os níveis de progesterona diminuem e os níveis de estrogênio aumentam novamente para preparar seus ovários para o próximo ciclo de ovulação. Se os níveis de estrogênio não aumentarem rápido o suficiente, você pode sentir alguma secura e coceira vaginal. No entanto, isso deve desaparecer após alguns dias.  

Como tratar?
Apesar da coceira causada pela alteração hormonal não ser nada grave, sua médica pode prescrever um tratamento para hidratar a região íntima e aliviar a coceira. Além disso, ela pode solicitar exames para descartar algo mais grave como uma infecção.

 

8) Menopausa

A queda no estrogênio que acontece durante a menopausa e a perimenopausa (período que antecede a menopausa) aumenta o risco de coceira vaginal.

Isso porque há uma queda na quantidade de estrogênio que faz com que os tecidos da vulva e da vagina fiquem mais finos, secos e menos elásticos. E, como já vimos, a secura vaginal pode resultar em coceira e irritação. O sexo também pode se tornar doloroso ocorrendo até mesmo sangramentos após a relação sexual. 

Como tratar?

Um creme específico para a região pode proporcionar o alívio da coceira. O uso de lubrificantes para secura vaginal também pode ser recomendado durante o sexo.

 

9) Estresse

Pasmem! O estresse físico e emocional também pode causar coceira e irritação vaginal.

O estresse enfraquece nosso sistema imunológico, deixando-o mais propenso a infecções vaginais que causam coceiras. Ainda assim, é importante procurar ajuda profissional para tratar as causas disso.

Como tratar?
Se você está no seu limite e passando por situações de estresse extremo, considere fazer atividades prazerosas e tirar um tempo pra si. Fazer terapia também pode ser uma boa para te ajudar a lidar com a situação. E procure ajuda médica para investigar melhor o que pode ser a causa.

 

10) Câncer de vulva

A coceira vaginal em casos bem mais raros pode ser um sintoma de câncer na vulva. 

Nesse caso, a coceira vaginal não desaparece e nem melhora. Também pode haver alterações na vulva, como descoloração ou espessamento da pele. Sangramento ou corrimento são outros sintomas possíveis. 

Exames ginecológicos anuais podem melhorar as chances de detecção precoce e um melhor resultado. Esse tipo raro de câncer acontece geralmente em pessoas mais velhas. 

Como tratar? 

Dependendo do estágio da doença, as principais opções de tratamento para o câncer de vulva podem incluir a cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

 

Quando procurar ajuda médica para coceira na vagina

Sentir coceira na região íntima não é normal. Por isso é importante consultar um profissional de saúde quando esse sintoma estiver atrapalhando sua vida diária.

Embora a maioria das causas não seja séria, buscar ajuda médica vai te ajudar a tratar a raiz da coceira a partir do tratamento certo.

Se a coceira vier acompanhada de dor, vermelhidão, inchaço, corrimento vaginal incomum ou febre, não esqueça de relatar todos esses outros sintomas à sua médica, pois isso pode ajudar no diagnóstico.

Sua médica poderá solicitar um exame pélvico para inspecionar visualmente sua vulva e dentro de sua vagina. Ela também poderá coletar uma amostra de tecido da pele de sua vulva ou uma amostra de sua secreção para análise. Dependendo dos seus sintomas, exames de sangue ou urina também podem ajudar no diagnóstico.

 

Como prevenir a coceira na vagina?

Sim, a coceira vaginal pode ser evitada e as dicas são bem simples, viu! 

Na hora de lavar a área íntima, lembre-se que apenas a vulva (região externa ao corpo) deve ser lavada. Utilize apenas água, nada de sabonetes, produtos com fragrância e muito menos perfumes para a região íntima. 

Outra dica importante é ficar longe das duchas vaginais. A vagina (parte interna) é autolimpante, o que significa que não requer nenhuma lavagem ou produto para se manter saudável e limpa. 

Leia também: Cuidados com a ppk: 9 dicas para manter uma higiene íntima saudável

E nunca é demais reforçar que usar preservativos garante um sexo mais tranquilo e seguro contra ISTs. 

A roupa que você usa também pode causar coceira vaginal. Por isso evite ficar de biquíni ou com roupas molhadas ou suadas por muito tempo. Também vale a pena ficar longe de roupas muito justas e optar por calcinhas feitas de algodão.

E pra finalizar, uma dica boa é parar de usar o absorvente descartável. Eles abafam a região íntima e criam o ambiente perfeito para a proliferação de bactérias. Prefira alternativas mais saudáveis e ecológicas como o coletor menstrual, a calcinha absorvente ou o absorvente reutilizável de tecido.

 

Coletor menstrual: um copinho de uso interno que pode ser usado por até 12h. Ele apenas coleta o sangue menstrual e não absorve. Isso significa que ele não interfere na sua flora vaginal. Conheça o coletor menstrual Korui.

Calcinha absorvente: ela funciona como qualquer outra calcinha com apenas um diferença: ela é capaz de absorver seu sangue menstrual sem deixar passar pra roupa. Simple assim! Conheça todas as opções de calcinha absorvente.

Absorvente reutilizável: feito com tecidos inteligentes, respiráveis e que não vazam. Dão uma sensação de conforto bem diferente dos incômodos dos absorventes descartáveis. Confira todos os tamanhos de absorvente de pano.

 

Leia também: Coletor menstrual, calcinha absorvente ou absorvente de pano: qual escolher? 

 

Concluindo…

A coceira na vagina é desconfortável, mas geralmente não é nada grave. Na maioria das vezes, a coceira na vagina ou na vulva melhora ao evitar produtos químicos que contenham géis, aromatizantes ou outras substâncias que podem ser irritantes à pele. 

Por outro lado, a coceira também pode indicar algo mais sério como infecções fúngicas, bacterianas ou sexualmente transmissíveis. Por isso, se bater aquela coceirinha, não hesite em procurar ajuda o quanto antes. Sua médica irá diagnosticar a causa e sugerir o tratamento mais adequado pra você. Combinado assim?

Voltar para o blog

6 comentários

Estou coceira e ardência na vagina eu posso usar

Celina

Estou com coceira não dentro mas fora da vagina oque fazer

Viviane De Góes

Eu quero mim tratar

Orlene

Não conseguido para de cossa

Kaylane

Eu estou tendo uma coleira vaginal

Maria José da Silva Martins

deixe seu comentário aqui :)

nosso impacto

Mais do que uma marca, somos uma comunidade de pessoas procurando soluções para problemas sociais e ambientais e querendo muito gerar impacto positivo para o mundo!

Sabia que nós já impedimos o descarte de 220 milhões de produtos descartáveis? Isso equivale a 3200 toneladas de lixo a menos no mundo! 🌎💚

Além disso, somos engajados no combate à pobreza menstrual. Criamos o projeto Dona do Meu Fluxo, que leva educação e coletores menstruais para mulheres em situação de vulnerabilidade social, que muitas vezes usam miolo de pão para conter a menstruação. Nossos copinhos duram muitos anos, o que não apenas traz liberdade, mas saúde, confiança e dignidade. 💪❤️

vem saber mais